Pavilhão Galeria Serpentine – Londres – Reino Unido

Cliente: 
Software: 
País: 
United Kingdom

Todo ano, a Galeria Serpentine traz um arquiteto internacional para realizar o design de verão do seu pavilhão. Em 2013 o Pavilhão foi projetado pelo arquiteto Japonês Sou Fujimoto, sendo a AECOM a empresa responsável pelo projeto de estruturas desde a concepção em Janeiro de 2013 até a finalização da obra em Junho 2013. O Pavilhão exemplifica uma arquitetura contemporânea e o maior desafio da engenharia era de mascarar a complexidade da estrutura através de um design de detalhamento simples e inteligente.

 

Concepção

A concepção foi criada em volta de um grid tridimensional de 400 mm, com perfis tubulares quadrados formando uma estrutura espacial que oferece áreas cobertas, formadas pela adição de discos circulares de policarbono e áreas onde visitantes são convidados a escalar a estrutura.

 

Design

A natureza complexa da estrutura significava que um modelo tridimensional era essencial para analisar a estrutura e seus 27,000 elementos globalmente. Nas áreas onde o acesso a estrutura é permitida aos visitantes, grande concentração de carga foi imposta durante o dimensionamento levando em consideração os painéis de vidro e a concentração de multidão. Isto foi combinado com cargas acidentais que levavam em consideração acesso não permitido à estrutura, remoção de elementos e recalque da fundação.

Testes

O projeto de detalhamento dos nós da estrutura foi vital, eles precisavam ser simples de fabricar e permitir construção fácil em módulos grandes para serem entregues na obra. Eles precisavam ainda  transferir a capacidade total de momento entre os perfis ligados.
Várias opções foram concebidas e desenhadas em parceria com o fabricante (Stage One) permitindo que o nó fosse desenvolvido de maneira que a estrutura fosse construída dentro do tempo disponível.
Era necessário que as ligações pudessem transferir os esforços dos elementos, pois esse era um ponto fundamental da estabilidade da estrutura. Para garantir que as ligações dimensionadas eram suficientes, vários testes foram feitos com pedaços reais da estrutura sendo os mesmos testados até a ruptura da ligação. Os testes englobaram tanto nós menores quanto nós mais robustos.

 

Processo de dimensionamento Paramétrico

O sucesso do projeto se deu devido à colaboração eletrônica entre os integrantes do time envolvido. Desde sua concepção, o projeto foi se desenvolvendo usando modelos 3D, até porque não era possível dimensionar e analisar a estrutura através de um modelo 2D. O modelo arquitetônico foi feito usando-se o software Rhino e scripts customizados foram criados para transferir a estrutura para o Scia Engineer. O aspecto fundamental do sucesso desse projeto se deu à possibilidade de se estabelecer um processo integrado e completo de transferência de dados. Isso permitiu um rápido desenvolvimento do processo de dimensionamento da estrutura e a interação com as frentes de trabalho envolvidas resultando em um projeto com grande importância arquitetônica e ótima funcionalidade estrutural.
Os modelos 3D também foram compartilhados com os fabricantes permitindo a integração com o sistema de manufatura computadorizado, melhor visualização da estrutura e otimização da fabricação por módulos e a entrega e montagem na obra.
Desenhos estruturais foram produzidos no software Autodesk Revit. A geometria foi transferida para o Revit usando-se o link com o Scia Engineer.

Imagens & Screenshots